Personal Fail, Lost in Wine Translation, Tough Job for a Cooper, Em Portugues

I find myself in Brazil, sipping a very nice Chilean red blend (Cabernet Sauvignon, Carmenère, and Syrah from Palo Alto) with a fellow wine lover.  He speaks zero English and my Portuguese is hovering slightly above pathetic.  We both love the wine.  Others join us and soon a cacophony of lovely Brasilian Portuguese fills the air, signing the praises of this Chilean wonder.

I, being some sort of “wine guy”, receive numerous inquiries regarding my thoughts on the wine.  I spew out a few words in Portuguese that I know like plums, pepper, cherry, etc. But then comes my big moment. I need to seriously practice my Portuguese anyway, so I venture down an unfamiliar linguistic road.  I attempt to ramble on about the exemplary use of oak (especially for the price point) in this offering.  Hmm… this is not going to be easy. “Barrels” I know is “barris”, so far, so good.  Oak I also know is “carvalho.”  Lurking in the back of my mind, however, is a slang word that sounds almost identical to “carvalho.”  That word is “caralho”, and it has a decidedly different meaning than “oak.”

So, off I go, about a dozen people staring at me, waiting for my broken Portuguese commentary that I assume they will either nod too, or shake their heads at.  I proclaim that the wine is delicious, and that many of the aromas and flavors come from exceptional use of “barris de caralho.”  The man next to me, who provided the wine, nods in agreement, but perhaps in a slightly peculiar fashion. I take almost no notice of this, and think all is fine.  I even have a nanosecond of self-congratulation for what appears to be my growing “mastery” of Portuguese.

Then I look up.

Red faces and some chuckling are occurring.  Huh, I wonder, as my own face is rapidly turning the color of the wine in front of me… oh crap, what did I actually just say?  Ah yes, dear reader, what did I, in fact, proclaim about the wine?

Well, according to me, the vinho was delightful because it had been lovingly, and carefully, generated from an extended and intricate chemical dance between the wine and the barrels made of penis (no doubt even more expensive than French oak).

Yes, penis.

Seems like crafting such a barrel might be a tough job for even the most experienced of coopers.

—-

Tale in Portuguese….

Hilariamente Perdido em Traducão de Vinho

Brasil

Eu me encontro no Brasil, bebendo um blend tinto chileno muito bom (Cabernet Sauvignon, Carmenère e Syrah da Palo Alto), com um amante de vinho como companheiro. Ele fala zero Inglês e o meu Português paira ligeiramente acima do patético. Nós dois adoramos o vinho. Outros juntam-se a nós e logo uma mistura de sons do lindo Português do Brasil enche o ar, tecendo elogios à essa maravilha chilena. Eu, sendo uma espécie de “cara do vinho”, recebo inúmeras perguntas a respeito dos meus pensamentos sobre o vinho. Eu lanço algumas palavras em Português que eu conheco como ameixas, pimenta, cereja, etc. Mas, em seguida, vem o meu grande momento. Preciso seriamente praticar o meu Português mesmo, então eu me arrisco numa estrada linguística desconhecida. Eu tento discorrer sobre o uso exemplar do carvalho (especialmente para a faixa de preço), neste vinho. Hmmmm … isso não vai ser fácil. “Barrels” Eu sei que é “Barris”. Por enquanto, tudo bem. “Oak” eu também sei – “Carvalho”. Mas à espreita no fundo da minha mente há uma gíria que parece quase idêntica a “Carvalho”. Essa palavra é “caralho”.

Esta, contudo, é uma palavra definitivamente diferente de “carvalho”.

Então, lá vou eu, cerca de uma dúzia de pessoas me olhando, esperando meu comentário, em meu Português “quebrado” – comentário esse que eles podem assentir ou sacudir suas cabeças em desacordo. Eu proclamo que o vinho é ótimo, e que muitos dos sabores provem do uso excepcional dos “barris de caralho”. O homem ao meu lado, que forneceu o vinho, inclina-se no acordo, mas talvez em uma forma um tanto peculiar. Eu não me dou conta disso, e acho que está tudo bem, e eu ainda tenho um nanossegundo de auto-congratulacão para o que parece ser o meu crescimento no “domínio” do Português.

Então eu olho para cima.

Rostos vermelhos e alguns risos discretos estão ocorrendo. Huh, eu me pergunto, como meu próprio rosto está rapidamente ficando da cor do vinho à minha frente… oh droga, o que eu realmente acabei de dizer? Ah, sim, caro leitor, o que eu, na verdade, falei sobre o vinho?

Bem, na minha opinião … .. os sabores do vinho eram ótimos, porque eles tinham sido amorosa e cuidadosamente gerados a partir de (sem dúvida, ainda mais caro do que o carvalho francês) uma intrincada danca química entre o vinho e os barris de pênis nos quais ele tinha sido envelhecido.

Sim, pênis.

Parece ser uma tarefa difícil até mesmo para o mais experiente dos tanoeiros.

Please Share & Enjoy:
  • Print
  • Twitter
  • Facebook
  • Digg
  • Sphinn
  • del.icio.us
  • Mixx
  • Google Bookmarks
  • MySpace
  • StumbleUpon
  • Yahoo! Buzz
  • Blogosphere
  • email
  • Google Buzz
  • LinkedIn
  • NewsVine
  • PDF
  • Tumblr

{ 2 comments }

Ironman Weaks

I wonder… Why are the Portuguese words for oak and penis so very similar? Wood…Penis. Hmmmmm. Mistake? I submit it is not!

La Jolla Mom

Just totally awesome. And exactly the kind of story I would expect from you in the Southern Hemisphere.

Previous post:

Next post: